Conhecer melhor a cultura do país e viver como um local são apenas duas das vantagens de viver um intercâmbio fora de um polo turístico

Muitos jovens pensam em grandes e conhecidas cidades na hora de escolher onde fazer intercâmbio. Mas, para chegar na melhor conclusão, é preciso levar em consideração outros aspectos de escolha como cultura, alimentação, idioma e estilo de vida – e saber qual delas têm mais relevância na experiência que desejam viver. Isso porque cada cidade oferece mais ou menos desses pontos.

As cidades pequenas, por exemplo, são sempre vistas como segunda opção para os intercambistas, e, embora não sejam tão conhecidas mundialmente e cheias de turistas, podem surpreender em alguns aspectos. Seja por dúvida, ou apenas curiosidade, confira abaixo 6 razões pelas quais fazer intercâmbio em uma cidade pequena é uma boa ideia:

Locomoção

Imagine que você é um intercambista recém chegado. Sua cabeça está a mil com as experiências e novidades do momento, com certeza, se perder não está no seus planos e saber se localizar facilmente pode ser uma dor de cabeça a menos. As cidades pequenas, simplesmente por serem pequenas, têm essa vantagem, é fácil se localizar nelas e reconhecer os pontos da cidade. O restaurante mais badalado, o barzinho que fica aberto até mais tarde, o supermercado que todo mundo vai.

A população local é mais acessível

Nas cidades menores, as escolas e universidades são locais reconhecidos e a população local sabe que existe a probabilidade de um intercambista chegar. Se o estudante precisa de ajuda ele pode até parar alguém na rua, as pessoas locais são receptivas e acessíveis, ao contrário das cidades mais conhecidas, onde o dia a dia é mais corrido.

Menos turistas

Menos turistas implica em menos chance de encontrar um brasileiro e mais chance do intercambista se envolver com o idioma e cultura local. As capitais são multiculturais, nas pequenas cidades há preservação da identidade cultural e linguagem local. O estudante vai realmente se imergir no estilo de vida da cidade.

Custos mais baixos

Obviamente, com menos gente turistando pelas ruas da cidade e simplesmente por não ser parte dos grande pontos turísticos mundiais, as cidades pequenas oferecem um custo de vida mais baixo, o que implica, inclusive, em melhor qualidade de vida.

Viva todas as experiências

Depois das quatro razões mencionadas acima essa é apenas uma consequência. Todos os fatores da pequena cidade fazem com que você viva como um deles, converse com eles e faça amigos, fazendo de você mesmo um próprio local. Para muitas pessoas, se sentir parte da população alivia os conflitos internos e o stress de tentar se encaixar em outro país durante a experiência do intercâmbio.

O melhor dos dois mundos

Além do mais, nada impede que o intercambista aproveite sua estadia no exterior para conhecer as capitais e grandes cidades. Ainda mais se o intercâmbio for na Europa, onde os países são menores e a locomoção entre eles mais fácil. Os estudantes podem aproveitar da calma e sossego das cidades pequenas para estudarem durante a semana e aos finais de semana visitarem os grandes centros.