Acompanhe as movimentações do dólar no mês de novembro.

Destaques do Mês

  • Dólar subiu 0,82% no mês, cotado a US$ 3,2986 em 13 de novembro
  • Maior alta diária foi de 1,32%, em 3 de novembro, após o feriado
  • Cenário externo favorece o dólar em período de incertezas sobre reforma da Previdência

Panorama Geral

A primeira quinzena de novembro teve o dólar em um patamar mais elevado, acima dos R$ 3,25, devido ao receio dos investidores sobre a aprovação da reforma da Previdência.

Após a divulgação de dados do índice de serviços (ISM) norte-americano, que teve um aumento maior do que o esperado, registrou valorização ante outras moedas, inclusive o euro. Em 3 de novembro, a alta do dólar foi de 1,32% em relação ao real, chegando a R$ 3,3071, maior nível desde 04 de julho, quando era vendido a R$ 3,3102. Já no dia 6, a moeda teve queda de 1,45%, em um movimento de correção, chegando a R$ 3,259.

No mesmo dia, o presidente Michel Temer reuniu-se com líderes da base aliada do governo para falar sobre a possibilidade da Reforma da Previdência não ser aprovada. Ação considerada fundamental para equilibrar as contas do governo, a reunião resultou na valorização do dólar no dia seguinte. Em 07 de novembro a alta de 0,55% fez a cotação fechar em R$3,277.

Cenário Externo

No dia 02 de novembro o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, finalmente anunciou o novo diretor do FED, o banco central norte americano. Jerome Powell é o escolhido para substituir Janet Yellen. É esperado que ele mantenha uma posição de cautela em relação à política monetária. É esperada a decisão final sobre um aumento de juros ainda este ano, que tende a acontecer em dezembro. Esse fato também influenciou na alta do dólar em 03 de novembro, citada acima.

Após a apreensão do mercado quanto à aprovação do plano tributário nos Estados Unidos, que inclui cortes de impostos para corporações, o fechamento do dia 13 de novembro teve alta relacionada ao cenário político no Reino Unido.

Um grupo de 40 parlamentares britânicos, todos do Partido Conservador – da primeira-ministra Theresa May, assinou uma carta de não confiança contra a premiê. Segundo a Reuters, restariam 8 parlamentares para desencadear uma votação pela liderança, o que poderia fazer com que May perdesse cargo. Com isso, o dólar subiu ante a libra, além de moedas de países emergentes como o real, com cotação próxima a R$ 3,30.