O turismo em massa fez com a entrada de turistas na Europa ficar ainda mais difícil. Saiba mais!

Enquanto diversos países buscam cada vez mais desenvolver o turismo em suas cidades abrindo caminho para entrada de estrangeiros, outros têm ido no sentido inverso: aumentando suas barreiras e limitando as suas entradas em seus territórios.

Mas o que será que tem provocado isso? O turismo em massa. Entende-se pelo termo, localidades que recebem enormes quantidades de estrangeiros em suas cidades.

Apesar do turismo ter um caráter de ajuda na economia local, gerando empregos e rendas pra população, ele também tem seu lado negativo, e é aqui que reside a luta de cidades como Veneza, por exemplo.

De acordo com o governo local, a grande quantidade de turistas tem provocado uma deterioração muito forte em seus recursos naturais. O problema é que a situação não para por aí: os residentes também têm se irritado cada vez mais com o quadro de superlotação, tendo inclusive realizado protestos em nome da contenção de visitantes. Entre os motivos mais fortes estão o caos urbano e a especulação imobiliária desenfreada.

No entanto, não é só Veneza que está passando por isso. Listamos abaixo também outras 6 cidades que tem enfrentado esse tipo de situação. Confira quais são elas:

Veneza, Itália

Veneza é uma cidade linda! E é por esse motivo que se encontra na lista. Por ano, cerca de 20 milhões de pessoas visitam a cidade italiana.

O que tem gerado uma preocupação local maior é o afastamento dos próprios habitantes em detrimento dessa situação. Na década de 1950, a cidade abrigava em torno de 175 mil venezianos, enquanto hoje, apenas 50 mil.

Entre os motivos já citados, a população tem se estressado bastante com a proliferação de restaurantes fast-food e de camelôs na região. Segundo eles, essa situação tem se dado por conta da grande quantidade de pessoas que passam por lá todos os dias.

Após protestos locais, o governo de Veneza se manifestou sobre o assunto, informando que deve tomar medidas para evitar que esse quadro piore. Unidos, as autoridades e os habitantes têm agora a missão de impedir que turistas mal educados frequentem o local – relatos revelam que há casos de turistas que fazem sexo e urinam nas ruas da cidade.

Butão, Ásia

O pequeno país asiático é um dos que está lutando contra o turismo em massa. Conhecido por ser um destino com lindas paisagens, a medida tomada pelo governo local foi a de inserir uma taxa diária de 780 reais para quem quiser visitar a cidade.

A ideia é preservar ao máximo as particularidades naturais do país com uma política intitulada “de alto valor e baixo impacto”.

Barcelona, Espanha

As atitudes do governo espanhol para conter a entrada de muitos turistas estão em incluir taxas de permanência para quem for visitá-la e impedir o crescimento de hotéis nas cidades mais procuradas da região. As autoridades chegaram até a processar a famosa rede de reservas Airbnb em 30 mil euros.

O que mais eles temem é que a cidade se torne uma região igual como a 25 de março é em São Paulo – cheia de comércios baratos e superlotada de gente. Segundo a prefeita Ada Colau, “Não queremos que a cidade se torne uma loja de souvenirs baratos”.

Amsterdã, Holanda

“Muitas cidades históricas menores na Europa estão sendo destruídas pelos visitantes”. Essa foi uma das frases de Frans van der Avert, chefe de departamento de marketing da cidade. Ela reflete a atual visão dos holandeses para com o turismo.

O plano local é parar de investir em publicidade que atraiam pessoas pra lá. Segundo Avert, os estrangeiros tem causado muito na região, e de uma forma negativa: “Queremos pessoas que estejam interessadas na cidade, e não que a transformem em um cenário de festa”.

Santorini, Grécia

A ilha grega mais famosa também está sofrendo com a superlotação de visitantes. Por dia, a região já chegou a receber 10 mil estrangeiros.

Devido ao medo de prejuízos naturais, hoje, a cidade se limita a receber 8 mil pessoas no máximo diariamente.

Dubrovnik, Croácia

A cidade mais famosa de Game of Thrones tem tomado medidas para evitar a enorme entrada de turistas na região. Assim como Santorini, o local já chegou a receber 10 mil visitantes por dia. Hoje, o limite é de 6 mil.

De acordo com o governo local, a cidade é muito pequena e não suporta uma alta demanda de pessoas.

Islândia

Estima-se que cerca de 2,3 milhões de pessoas estarão visitando a Islândia até o final deste ano. O número assusta o governo local, que tem uma preocupação muito grande com a preservação das suas encostas e parques nacionais, símbolos do país. “Se permitimos o ingresso de pessoas demais em áreas como essa, estaríamos perdendo o que as tornam especiais, pérolas únicas da natureza que fazem parte da nossa imagem e do que estamos vendendo”, disse a ministra de turismo Thordis Kolbrun Reykfjord Gylfadottir.