Conheça as alternativas para que você possa continuar usando os serviços bancários

A partir de hoje, 06 de setembro de 2016, inicia-se a greve bancária nacional. A maior parte dos bancos espalhados pelo território brasileiro paralisaram hoje suas atividades por tempo indeterminado. O número de instituições financeiras paradas ainda não é concreto, uma vez que a greve acabou de começar, contudo, sabe-se que o número tende a ser cada vez maior ao decorrer dos dias.

 

A greve nacional reivindica, entre outros, um reajuste salarial de 14,78%. A Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) oferece um reajuste de 6,5%, contudo, o Sindicato dos Bancários não concordou com a proposta, mesmo após cinco tentativas de negociação.

 

Com a greve, a população não tem acesso aos seus gerentes bancários e algumas ações ficam impossibilitadas. Como é o caso do aumento de crédito ou aumento de limite para transferências. Esses são apenas dois exemplos de operações em que é necessário a presença de um gerente ou outro profissional do banco, existem outras demandas específicas que cada pessoa pode precisar.

 

Uma das formas de lidar com a situação é fazer o pagamento de contas em dia, mesmo com os bancos parados. Isso impede que o cliente sofra com o posterior pagamento de juros. Para isso, o cliente pode fazer o pagamento via internet, em casas lotéricas, às vezes na sede da empresa credora e até mesmo o pagamento por código de barras em caixas eletrônicos.

 

Caso a pessoa não consiga realizar o pagamento de sua conta por nenhumas das opções mencionadas, é preciso em que ele entre em contato com a empresa responsável pela compra. A empresa deve apresentar uma solução para que a conta possa ser paga. Se isso não acontecer, é indicado que grave o protocolo da ligação, evitando o pagamento de juros posteriormente.

 

Baixar o aplicativo do banco para poder acompanhar o extrato da conta e também realizar as operações online, como transferências, pagamento de contas e empréstimos é uma forma prática e fácil de conseguir resolver algumas situações sem que seja necessária a presença de algum representante do banco.